Terça-Feira, 18 de Junho de 2019

Diário de Sorocaba

buscar

<< Loteamento não fornece água e luz a moradores

Publicada em 24/02/2011 às 21:48
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Moradores cobram soluções da imobiliária que vendeu os lotes e prometeu água e energia antes da mudança (Foto: Fernando Rezende)
Sem energia e água potável, moradores de um loteamento do Parque São Bento sofrem com o descaso há cerca de dois anos. No bairro, as redes de água e esgoto e de energia elétrica já estão prontas, mas a imobiliária que vende os terrenos, alega que depende dos órgãos competentes, no caso o Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) e a CPFL (Companhia de Força e Luz) Piratininga, para fazer as ligações.

Cansados de aguardar uma solução, os moradores se reuniram em frente à imobiliária GSP na manhã de ontem para expor os problemas que estão enfrentando há mais de dois anos, quando se mudaram para o loteamento.

O loteamento Parque São Bento, situado entra a avenida Dr. Gualberto Moreira e a Vinicius de Morais (próximo ao reservatório do Saae), conta com 65 quadras e 4.500 lotes. No local, mais de 200 famílias já construíram suas casas. O aposentado Jailson Batista Loi, 45 anos, diz que quando comprou o terreno teve a garantia do corretor de que quando mudassem para o bairro todas as redes já estariam ligadas. A costureira Cleusa de Andrade, de 54, cobra providencias da imobiliária GSP, que sempre estipula um prazo, que não é cumprido.

Sem condições de irem para outro lugar, as famílias estão improvisando e admitem que para ligar seus eletrodomésticos tiveram de fazer “gato” na rede de energia elétrica. Quanto à água, um caminhão-pipa abastece o bairro três vezes por semana, e o esgoto está sendo utilizado normalmente pelos moradores - mesmo com a rede pronta, ainda não está ligada ao emissário (rede coletora), entupindo as tubulações.

O aposentado José dos Santos, 56 anos, relata que se mudou há um ano para o local, que não oferece condições adequadas de moradia. “Moro na quadra DT e a imobiliária disse que a nossa situação mudaria em dezembro de 2010, mas até agora nada. Os prazos dados por eles são tudo de boca, não têm documentação”, conta.

O gerente de projetos, Renato de Souza, explica que os problemas enfrentados pelos moradores e pela empresa de loteamentos ocorrem devido às empreiteiras e às chuvas fortes. “O loteamento tem cerca de um milhão de metros quadrados, então as obras são grandes e demoradas, por isso são feitas em etapas”.

A empresa de loteamentos alega que gasta cerca de R$ 40 mil por mês para pagar caminhão-pipa – a água não é para consumo, apenas para a construção das residências -, limpeza das tubulações de esgoto e vigia, para evitar o roubo de cabos de cobre. 

PRAZOS - O protocolo feito entre a imobiliária e a Prefeitura de Sorocaba diz que a empresa tem o prazo para a ligação das redes até outubro de 2011. Em nota, o Saae esclarece que está dentro do prazo estabelecido pela administração municipal junto ao GSP, e as interligações de água e esgoto serão executadas assim que o sistema que vem sendo implantado pela autarquia para atender ao Parque São Bento esteja concluído - compreende um novo reservatório de dois milhões de litros de água (já pronto) e implantação de rede de adução e sistema de bombeamento (em fase de obras).  

Já a CPFL informa que somente envia as equipes de ligação nova às residências quando todo o processo de conexão com a rede e doação do acervo realizado pelo empreendedor junto à concessionária é totalmente finalizado, tanto no aspecto legal quanto no aspecto de segurança, pois as redes de distribuição são inspecionadas constantemente. 

Assim, após a conclusão dos trâmites burocráticos da GSP junto à CPFL, passado dois dias úteis dessa conclusão, os imóveis terão o fornecimento de energia elétrica disponível com instalação de medidores e ramais de conexão.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar