Terça-Feira, 20 de Agosto de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Materiais hospitalares são abandonados em estradas rurais Entre as 88 caixas, há algumas que identificam Sorocaba como destino do material

Publicada em 30/12/2010 às 22:07
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

O delegado Jorge Tadeu informou que iniciará investigação pela fabricante, por meio do número dos lotes (Foto: Pedro Henrique Negrão)
Por meio de ligação 190, a Polícia Militar de Votorantim recebeu ontem a informação de que várias caixas estariam abandonadas no canteiro da Estrada Velha, que leva a Piedade. No local, policiais do 40º BPMI identificaram 52 caixas com materiais hospitalares, destas, algumas estavam violadas. Após a identificação, a ocorrência foi encaminhada para o 1º Distrito Policial de Votorantim, onde segue em investigação. Também a Vigilância Sanitária de Votorantim (Visa) encontrou outras 36 caixas na noite de quarta-feira (29) nas margens da Estrada dos Morros, região da Vila Garcia. 

Entre material vencido e dentro do prazo de validade, os policiais encontraram vários tipos de equipamentos de uso específico de hospitais, como sondas traqueal, retal, levine, nasal, de oxigênio, e também agulhas, cateteres, reagentes, seringas e produtos de higiene hospitalar. As caixas estavam identificadas com o nome da empresa Fabrimed, de Santo Antônio da Posse, interior de São Paulo. Além de um adesivo com as siglas SOR, que, segundo o delegado do 1º Distrito Policial de Votorantim, Jorge Tadeu Caldera Pedrozo, identifica Sorocaba como cidade destino do material.

O delegado explicou que o crime, considerado ambiental, será investigado a partir da fabricante, que deverá identificar a origem dos pedidos pelo número dos lotes expostos nas caixas. “Sabemos que é de Sorocaba, mas não se pode afirmar ainda quem despachou esse material.”

São várias as hipóteses apontadas pelo delegado, entre elas a de que o material pode ser produto de roubo, carga desviada de hospital ou, até, material vencido e prestes a vencer que algum hospital decidiu despachar por não saber justificar a quantidade perdida. “Pode ter sido ainda um distribuidor que não conseguiu vender e resolveu despachar”, disse.

Com datas de fabricação de 2006 a 2009, as sondas passarão por vistoria para, então, ser decidido como serão aproveitadas as que não estão vencidas, já que o prazo de validade do material se estende por 36 meses. “Pretendo pedir autorização judicial para doar o material para a Prefeitura de Votorantim. Já as sondas vencidas serão descartadas de maneira correta: pela incineração.” 

Outra chance de reaproveitar o material já vencido, conforme o delegado, será através da reciclagem, pois as sondas não foram utilizadas e, por isso, não oferecem riscos à saúde. “Por ser produto novo não contém infecção, mas, se estiver vencido, não pode mais ser utilizado.”
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar