Sexta-Feira, 19 de Julho de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Chuva derruba 124 árvores pela raiz

Publicada em 14/12/2010 às 21:21
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Funcionários da Prefeitura reparam danos provocados pela chuva forte e retiram árvores caídas (Foto: Pedro Henrique Negrão)
Após a forte chuva que deixou parcialmente Sorocaba debaixo da água nesta segunda-feira, ontem foi o dia em que os funcionários da Prefeitura de Sorocaba retiraram as 124 árvores que caíram em cima de veículos, de residências e, inclusive, interditaram vias. 

Os boletins divulgados pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) confirmam que as características das chuvas deste verão são rajadas de vento e granizo. 

Segundo o coordenador geral da Defesa Civil de Sorocaba, coronel Roberto Montgomery Soares, até a noite de segunda-feira tinham sido registradas quedas de mais de trinta árvores. Mas na manhã de ontem, quando os funcionários da Prefeitura de Sorocaba foram atender às áreas afetadas, o número de árvores caídas subiu para 124 - a maioria arrancada pelo vendaval, com até 97 km por hora, pela raiz, atingindo carros, casas e interditando ruas.

Em frente à Escola Municipal “Antônio Carlos - CEI 1”, na avenida Nogueira Padilha, uma árvore caiu em cima de um carro, modelo Ford Ka. Já na rua Artur Bernardes, Vila Progresso, uma árvore de grande porte derrubou o muro de uma residência. Na Vila Maria do Carmo, os funcionários da Secretaria de Obras e Infraestrutura Urbana retiravam a lama da rua João Gabriel Mendes, evitando o entupimento das bocas de lobo.

SEM ENERGIA MAIS DE 24 HORAS - Os moradores da rua José Luiz Regal, no bairro Altos do Itavuvu, ficaram mais de 24 horas sem energia elétrica. Devido à forte chuva que cai em Sorocaba, os moradores ficaram sem luz desde as 16 horas de segunda-feira (13). Eles alegam que entraram em contato com a CPFL Piratininga e obtiveram como resposta que o problema seria resolvido até as 23 horas de anteontem, mas na verdade só foi solucionado às 17h30 desta terça-feira.

O grupo CPFL informa que as ocorrências crescem 40% no período do verão, por causa das pancadas de chuva que causam problema no sistema de energia elétrica. Com o temporal de segunda-feira, houve recorde de reclamações por falta de energia. A CPFL Energia informa que em casos de chuva forte, o típico é receber em média 800 ocorrências, mas foram registradas cinco mil.

A “tempestade violenta” com ventos de até 103 km/h atingiu grande parte do Estado de São Paulo na tarde de segunda-feira e colocou em ação o Plano Verão da CPFL Piratininga, criado para atuar nesse período do ano, quando os fenômenos climáticos são mais intensos. A empresa atua desde ontem com 100% de seu efetivo nas 22 cidades da sua área de cobertura no interior do Estado. 

De acordo como gerente regional da CPFL Piratininga, César Augusto Vita Perri, os alimentadores (espécie de artérias principais que abastecem as cidades) foram recuperados no mesmo dia. “Durante toda a noite e o dia de hoje as equipes estão trabalhando em ocorrências localizadas. Não temos bairros inteiros ou grandes trechos sem energia.”

Na sua avaliação, a rede elétrica suportou bem a tempestade. “Mais de 80% das ocorrências foram provocadas por descargas atmosféricas, árvores e outros objetos lançados sobre a rede elétrica, como telhas, faixas publicitárias e outdoor”, explicou. 

Todo efetivo da empresa está dedicado na recuperação do sistema para normalizar o abastecimento para seus clientes. Na área de atuação da CPFL Piratininga, estão trabalhando 429 técnicos e eletricistas próprios, além de 892 atendentes no Call Center (CPFL Atende) que se revezam em 391 postos de atendimentos, 135 técnicos no Centro de Operações e equipes terceirizadas, contratadas emergencialmente. 

As cidades atendidas pela CPFL Piratininga, sem exceção, sentiram as consequências da tempestade em algum momento. “Algumas cidades não sentiram muito os ventos fortes, mas tiveram falta de energia porque a chuva atingiu a rede elétrica no campo. Em outros casos, o volume das chuvas provocou alagamentos impedindo uma rápida atuação de nossas equipes”, explicou Perri. 

A Defesa civil atende pelo telefone 199, o Corpo de Bombeiros pelo 193, a Urbes pelo 118 e a CPFL Piratininga pelo torpedo 27304.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar