Quinta-Feira, 2 de Julho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Dilma é eleita primeira mulher presidente do Brasil

Publicada em 31/10/2010 às 20:31
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Um dos desafios de Dilma será provar que não é apenas uma sombra de Lula
Dilma Vana Rousseff, foi eleita neste domingo presidente da República para o período de 2010 a 2014. Sem nunca ter disputado uma eleição, ela é a primeira mulher a chegar ao mais alto cargo do País. Dilma teve a eleição definida quando atingiu 55,43% dos votos válidos no segundo turno das eleições, ante 44,57% do candidato do PSDB, José Serra

Na campanha, Dilma destacou as conquistas dos dois mandatos do governo do presidente Lula, que a indicou para concorrer à Presidência. O seu mote de campanha foi a necessidade de o Brasil continuar crescendo na economia com inclusão social. A presidente eleita ressaltou que 28 milhões de pessoas deixaram a situação de miséria ao longo desses quase oito anos e prometeu trabalhar para erradicar definitivamente a pobreza no País.

No comando da Casa Civil, a presidente eleita conhecida por seu estilo durona, coordenou o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), uma das principais marcas do governo Lula, com ações em praticamente todas as áreas, desde infraestrutura até segurança pública. Dilma também foi responsável pelo lançamento do programa Minha Casa, Minha Vida, de forte apelo social.
 
Petista diz que "baterá muito à porta de Lula"

Em seu primeiro pronunciamento oficial, Dilma Rousseff (PT) prometeu ontem "bater muito” à porta do antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, em seu futuro governo. Sem a presença do padrinho político no palanque montado para o pronunciamento, em Brasília, Dilma afirmou que um líder como Lula nunca estará longe de seu povo e agradeceu “a honra e o privilégio de sua convivência”.

"Baterei muito à sua porta e, tenho certeza, que a encontrarei sempre aberta", disse a petista. “Conviver durante todos esses anos com ele me deu a exata dimensão do governante justo e do líder apaixonado por seu País”, completou a presidenta eleita, que prometeu consolidar e avançar os projetos do atual governo.

No discurso, Dilma fez um aceno ao mercado financeiro e disse não contar com a pujança das economias desenvolvidas, abaladas, segundo ela, em meio a medidas de ajustes fiscais para minimizar o efeito da crise de 2008. A presidenta disse que será importante, em seu governo, o fortalecimento da poupança e do mercado internos. “Não estou dizendo que queremos fechar o Brasil para o mundo”, disse a ex-ministra da Casa Civil, para logo em seguida criticar medidas protecionistas dos países ricos e a guerra cambial entre as economias.

SERRA FALA SOBRE DERROTA - Derrotado na eleição presidencial, o ex-governador José Serra escolheu seu comitê de campanha, no centro da capital paulista, para fazer seu primeiro pronunciamento após o resultado das urnas. O tucano 
abriu seu discurso cumprimentando a rival petista. Visivelmente abatido, ele disse respeitar o resultado das urnas. "Os eleitores falaram e nós recebemos com respeito e humildade a voz do povo nas urnas", afirmou.

Serra telefonou a Dilma para cumprimentá-la pela vitória no mesmo momento em que a petista iniciava seu discurso de comemoração. Quem atendeu o telefone foi o coordenador da campanha Antonio Palocci, que avisou ao tucano que a presidenta eleita não poderia atendê-lo naquele momento. 
 
 
Equipes do atual e do futuro governo reúnem-se na sexta-feira

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva organizou o processo de transição para o próximo governo. Lula marcou para a próxima sexta-feira (5) uma reunião ministerial para orientar as ações e definir as atividades. As duas equipes de governo – da gestão Lula e do futuro presidente – terão dois meses de trabalho conjunto. A ideia é que todas as áreas colaborem com o futuro governo. O próximo presidente toma posse no dia 1º de janeiro de 2011.

O Ministério do Planejamento programou a liberação de R$ 2,8 milhões para despesas e contratação de até 50 funcionários, que trabalharão no governo de transição. O grupo vai trabalhar desde a proclamação da eleição – que normalmente ocorre dois dias depois da eleição (2) – até 31 de dezembro.
 
Leia mais: 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar