Terça-Feira, 17 de Setembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Campanha orienta sobre problemas respiratórios

Publicada em 27/10/2010 às 20:44
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Marina Gonçalves Alves, 69 anos, participou dos testes avaliativos da campanha (Foto: Marianna Barreto)

Com o objetivo de orientar a população sobre as causas de problemas respiratórios, o setor de Fisioterapia do Hospital Unimed Sorocaba com o apoio da PUC-SP realizaram ontem, no hall do Hipermercado Extra, uma campanha educadora pelo Dia do Pulmão, comemorado todo dia 27 de outubro.

Com o tema “2010 Ano do Pulmão – Viver, Aprender e Respirar”, a campanha ofereceu uma série de atividades aos interessados, como a espirometria, um teste que avalia a capacidade do pulmão. “Nós estamos avaliando a função pulmonar das pessoas e procuramos orientar sobre o que sente uma pessoa com problemas respiratórios”, explicou Marta Kalil, pneumologista orientadora da campanha.

Marta explicou ainda que através da espirometria é possível descobrir enfermidades como a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), que é uma doença que diminui lentamente a capacidade respiratória, e o tabaco é o principal fator de risco. “Parar de fumar não é impossível. Com tratamento médico se torna possível. Quando a pessoa tenta parar sozinha, ela tem 4% de chances, enquanto que com a ajuda de um especialista as chances aumentam para 30%”, frisou a pneumologista.

Outro fator de risco, apontado por Marta, é o consumo da maconha, considerado natural pelos usuários, mas que agride o pulmão semelhantemente ao tabaco. “Bronquite crônica e enfisema, além de câncer de pulmão, são resultados do consumo da maconha, assim como do tabaco. Fumar um 'baseado' é o mesmo que fumar um maço de cigarros”, afirmou.

Conforme a pneumologista, a ordem dos maiores causadores de problemas respiratórios hoje é o tabaco, poluição atmosférica, inalação de fumos ocupacionais (doença do trabalho) e inalação de fumaça de fogão de lenha. “Há trabalhos que comprovam que por esses fatores a pessoa tem mais chance de problemas respiratórios.” Marina Gonçalves Alves, de 69 anos, participou dos testes avaliativos e saiu satisfeita com o resultado. “Deu tudo certo, graças a Deus!”

Para aqueles que apresentaram complicações pulmonares durante os testes avaliativos da campanha, a fisioterapeuta Leila Cristina Raszl Gagliardi passou recomendações sobre a importância da Fisioterapia Respiratória. “É um tratamento específico para reabilitação da respiração e minimiza em 100% as crises de falta de ar”, disse. Leila destacou que a campanha em benefício do pulmão é uma forma de conscientizar as pessoas sobre os riscos expostos no ar. “É uma campanha antitabagismo de questão ambiental, pois os efeitos da fumaça para fumantes passivos também são graves.”

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar